Viagem ao Canadá

TheBrazilianGoestoCA Eu estava super animada para essas férias. Depois de uma temporada de muito trabalho, era finalmente chegada a hora do merecido descanso. TriptoCanadaby_SandraGibbensDo aeroporto, seguimos para Seattle. Mesmo cedinho, ainda pegamos fila na fronteira entre o Canadá e os EUA. ca_us_borderbySGibbens Paradinha básica no Panera Bread para matar a saudade do cafezinho maravilhoso que eles servem, bem como da sopas. Pedida perfeita para um dia de inverno. Diga-se de passagem, pegamos temperaturas bem amenas. PaneraBreadWAbySGibbens Após o check in no hotel, seguimos para a missāo de compras de inverno. Essa loja aí é “Rei”, especializada em artigos, roupas e equipamentos para a prática de esportes. Estávamos na missão de comprar as minhas botas de esqui. O legal de lá é que eles, cuidam de todos os detalhes e ajustam as botas direitinho no seu pé. Momento cinderela radical!!!!   Além das botas, acabei comprando tudo o que precisava lá mesmo. Jaqueta, Calça, meias e todas as layers necessárias. Rei_WA_BySGibbens No dia seguinte, seguimos de volta para Vancouver. Dia suuuuuuper chuvoso!!!! Pegamos um tráfego danado porque entramos em Vancouver bem naquele horário em que todo mundo saía do trabalho. Prime Time!!!! Mas assim que saímos da cidade, tudo ficou mais tranquilo. De lá até Whistler, foram mais ou mesmos 2 horas. Vancouver route1 by SGibbens_edited-1Agora, sim. Rumo à Whistler.

Guia para as estações de esqui de Utah. 

Utah_Ski_Guide

Eu ainda nem havia concluído os posts sobre as nossas férias no Canadá, quando o Amado me surpreendeu um uma viagem para irmos esquiar em Utah.

Chegando em SLC
Chegando em SLC

Assim, comecei a escrever esse post ainda no vôo da Delta Airlines, enquanto sobrevoávamos o oceano pacífico num dia lindo de quase primavera, o que em si só, já é motivo para celebrar para a maioria das pessoas que enfrentam invernos mais rigorosos ano, após ano. Esse já foi meu caso, por muitos anos, enquanto morava em Boston. Mas após alguns anos morando em Maui, uma ilha havaiana paradisíaca que povoa os sonhos de muita gente por ai, de repente me bateu aquela saudade de curtir o clima da montanha. Acho que o mesmo vírus de saudade do inverno que me atingiu, também pegou meu marido, acrescido ao fato de ele não ter esquiado na nossa última viagem à Whistler, por conta de um inchaço no pé. Ele nem sequer quis esperar pela a próxima temporada e resolveu marcar uma segunda viagem de 4 dias para, finalmente esquiarmos juntos.

Fizemos a nossa malinha e seguimos para Salt Lake City para curtirmos um final de semana prolongado que também coincidia com o nosso aniversário de casamento. E eu que sou a rainha de pesquisar tudo sobre os lugares que vamos, antes de chegarmos ao destino, tive que partir meio que no escuro, pois não sabia o que esperar de Salt Lake City e menos ainda, dos seus resorts maravilhosos de esqui. Eu sabia que as estações mais badaladas (Canyons, Park City e Deer Valley) estavam em Park City e também sabia que SLC havia sido a cidade sede das Olympiadas de Inverno de 2002. É isso já me deixou super empolgada para ir.

Essa foi uma viagem relâmpago para os nossos padrões, ou seja, um final de semana prolongado, uma vez que saímos de Maui Quinta-feira à noite, e voltaríamos na segunda à tarde. Assim, ficamos em SLC de sexta à segunda. Por ser final de semana, o amado resolveu comprar os passes para esquiar online, antes mesmo de viajarmos o que não foi necessariamente uma boa idéia, uma vez que sofri um acidente no sábado ao descer um dos “blue runs” o que me impossibilitou de esquiar no dia seguinte, mas os passes já haviam sido pagos. Ou seja, nem sempre planejar tudo em detalhes vale à pena. Lição para a próxima vez.

Assim sendo, resolvemos aproveitar o nosso dia de folga da montanha para conhecer um pouco mais dos resorts e nos inspirarmos para retornar num futuro próximo. Esse post, tem mais o objetivo de oferecer uma visão geral do que as estações de esqui tem à oferecer aos que procuram adrenalina , bem como aos que procuram sossego ou que por um motivo qualquer (no meu caso fisicamente impossibilitada de esquiar) não vão fazer nenhuma atividade específica mas querem aproveitar um pouco uma viagem de inverno.

Park City Main ST
Park City Main ST

Park City

Localizada há pouco mais de 35 minutos de Salt Lake City, essa charmosa cidade abriga nada mais, nada menos que três dos maiores resorts de esqui de Utah, Park City Mountain Resort, Canyons e Deer Valley Resort. Lá, você encontra neve de primeira qualidade para os amantes do esqui e do snowboard e uma infra-estrutura hoteleira e gastronômica de excelente padrão, além de  lojinhas e boutiques para atender a todos os gostos. Park City, ganhou status internacional em 2002, ao sediar algumas competições das Olympiadas de Inverno e de lá pra cá tem investido cada vez mais em oferecer uma infra-estrutura que atenda a crescente demanda dos seus visitantes, sem perder o charme da vida montanhosa.

Pay Day Gôndola - PCMR
Pay Day Gôndola – PCMR
Town Lift - Park City
Town Lift  Park  City

As Principais Estações de Esqui de Utah

Snowbird, UT

Só vou oferecer uma visão geral, como um guia prático para conhecer as principais estações, se esse for o seu objetivo e mais adiante, farei um post específico sobre as montanhas para os amantes dos esportes de neve.

Imersas no coração das Montanhas Wasatch, essas sete estações estão entre 25 e 45 minutos de Salt Lake City, e há aproximadamente uma hora do aeroporto de SLC. Perfeito para viagens de curta temporada ou escapadinhas de fim de semana. SLC possui uma rede hoteleira de qualidade para atender a todos os orçamentos. Para quem ficar hospedado em SLC, é só acordar, pegar o carro ou o transfer dos hoteis e seguir rumo à montanha de sua preferência. Eu ainda não tive a oportunidade de visitar todas as montanhas, porque nas duas últimas viagens que fizemos, optamos por esquiar em Snowbird, que fica na área de Cottonwood, lado oposto de Park City e curtiamos a badalaçao em Park City. E a razão pela qual estou escrevendo esse post é para que vocês saibam qual resort ou montanha melhor atende às suas expectativas, seja em relação às atividades de neve ou à infra-estrutura de resort que você deseja.

Park City Mountain Resort – PCMR e Canyons Resort – One Park City

Park City Mountain Resort

Canyons já era considerado o resort com maior opção de terreno para todos os níveis de esquiadores e snowboarders. Vail Resorts, que já administrava Canyons, comprou Park City, montanha vizinha e a partir da temporada de 2016, o complexo passa a se chamar One Park City e tornando-se assim o maior resort de esqui dos EUA e isso significa para a alegria geral da nação, que poderemos esquiar as duas montanhas com um mesmo passe. O Vail Resorts está investindo mais de 50 milhões de dóllares nas renovações que possibilitarão a ligação das duas montanhas. através de gôndolas com capacidade para mais passageiros, bem como construção de mais um restaurante no topo da montanha e muito mais.

Deixo aqui um vídeo oficial que apresenta as mudanças que estão ocorrendo durante o verão e que estarão prontas já para a próxima temporada. E eu aqui já estou contando os dias para voltar lá e aproveitar a temporada bem como todas as amenidades do resort e a vibe da vida na montanha. Ah, Park City, sua linda, me espere que já eu chego por aí.

Deer Valley

Deer Valley

Deer Valley Ski Resort
Deer Valley Ski Resort

Queridíssimo das celebridades e de quem aprecia e pode pagar pelo que há de melhor em termos de atendimento, Deer Valley é luxo só. Tudo é pensado em torno de oferecer conforto e comodidade aos seus visitantes. Hoteis super estrelados, gastronomia de primeira, serviçco de valet para carregar os seus esquis e até profissionais treinados exclusivamente para lhe ajudar a colocar suas botas já aquecidas nos seus pés (Já estou me sentindo a Cinderela dos esquis. hahaha). Esse resort é tão exclusivo, que até limita o número de passes a serem vendidos diariamente, para evitar super lotação. DV é também o único resort de esqui a mater a posição número 1 de melhor Resort dos EUA (2007-2011) por cinco anos consecutivos. Só perdeu a coroa devido às mudanças climáticas dos últimos anos que afetaram a quantidade de neve na montanha e consequentemente, a necessidade de fechar algumas pistas ou encerrar a temporada mais cedo.  Também dispõe de uma das melhores escolas de aprendizagem de esqui para crianças. Falando em exclusividade, o DV é um resort exclusivamente dedicado à esquiadores. A atividade de snowboard não é permitida em DV. E, embora seja uma decisão controversa, muitas vezes esse se torna um fator decisivo na hora da escolha de qual resort você deve ir. Fique atento, porque DV não é o único resort a não aceitar snowboarders na suas pistas.

Para conhecer um pouco do Deer Valley.

Solitude/Brighton

Solitude Ski Resort

Brighton Ski Resort

Solitude e Brighton, são resorts menores, com qualidade de neve perfeita e entre os preferidos dos residentes de Utah. É como uma jóia rara que os locais preferem deixar no anonimato. Raramente, você encontrará filas grandes para os teleférios e certamente, você encontrará aquela neve fofíssima, típica de capa de revista! Brighton é o resort mais antigo de Utah e por isso mesmo, é comum que várias gerações de familias se encontrem por lá durante as temporadas de esqui. Tem aquela vibe de casa dos avós, aonde tem sempre alegria e um ar mais intimista. Solitude, tem uma villa bem estilo europeu, com todas as amenidades e conforto necessários com acomodações estilo ski-in – ski-out. Saiu do hotel, colocou o esqui no pé, segue para a gôndola e vá aproveitar o dia. Outra coisa bacana também, é que esses dois resorts são conectados e há passes  que permitem você esquiar em ambos. Mas isso é assunto para outro post.

Para conhecer um pouquinho da Solitude Village, clique no vídeo abaixo.

Para ficar com água na boca e vontade de esquiar clica nesse outro aqui

Alta/Snowbird

Alta Ski Area

Snowbird

Snowbird
Snowbird

Alta e Snowbird estão também entre os queridinhos da galera que ama boa neve e mais tempo na montanha, o que pode ser traduzido na ausência de filas e aglomerações, especialmente nos finais de semanas e feriados. Meu marido sempre esquiou em Snowbird e decidiu que seria legal se fôssemos esquiar juntos por lá (lembrem que foi uma viagem planejada por ele?). O que eu não sabia era que esse resort era também o preferido da galera que quer adrenalina pura! Mesmo as inclinações das pistas iniciantes e intermediárias são mais ingremes que a maioria dos outros. Caso você ainda esteja iniciando nos esquis, fique nas trilhas verdinhas. Vai por mim. Agora, se você ja arrebenta nas pistas, vale à pena esquiar por lá, pelo menos uma vez. Snowbird e Alta são dois resorts distintos também conectados por um túnel no topo das montanhas. Se o seu esporte é esqui, você poderá adquirir um passe para usufruir as duas montanhas. Agora se o seu esporte é snowboarding, você está restrito à Snowbird. Alta, assim como Deer Valley, não permite snowboarders na sua montanha.

Eu já estou contando os dias para voltar. Enquanto o dia não chega, irei dividindo as memoórias por aqui.

Blogagem Coletiva – A danada da Foto Jacu! Se você nunca teve uma, Pre-pa-ra porque um dia vai ter.

Foto pagando mico, eu? Claro que não tenho. Essa foi a primeira coisa que veio à minha mente quando eu comecei a ver o post da galera do Sundaycooks hoje de manhã. Para saber do que estou falando olha aqui. 

Tudo começou com um post da Silvia Oliveira, lá no Matraqueando e que, de tão divertido que ficou, virou um desafio de blogagem coletiva. Tudo que eu precisava para me empolgar e relembrar alguns momentos, digamos inusitados nas minhas andanças por aí.

A idéia é procurar no seu baú fotográfico, aquela foto sua pagando mico por aí. Essa aí é a tal da foto Jacu. E para você que tá aí torcendo o narizinho e dizendo que não tem nenhuma foto dessa categoria, pense de novo. Vai por mim e procura direito. Agora, se você está começando suas andanças agora, PRE-PA-RA que um dia você vai ter a sua própria coleção de “jacuzice”.

Para você ter uma idéia, antes de eu acessar o meu baú, eu jurava que iria passar horas, quem sabe dias, garimpando tudo para achar UMA fotinha jacu. Basta dizer que tive que criar categorias para enquadrar todos os meus momentos de “jacuzices”. E para vocês, meus amigos e minhas amigas que estavam comigo nessas viagens, saibam que suas fotos estão todas salvas no “arquivo jacu”, criado especialmente para o caso de vocês precisarem.

Então vamos começar o desfile.

Da série JURANDO QUE SOU CELEBRIDADE. Nada melhor que os passeios pelo Museu de Cera de Nova York. Naquele lugar, você entra amador e sai um profissional com pós-graduação em  talentos jacuteiros. Acredite. Tem muito mais de onde essas aqui vieram.

Jacu celebridade
Jacu Celebridade

Das séries PULA-PULA e VAMOS BRINCAR DE CIRCO. É uma eterna busca pela infância perdida. O que faz a foto mais jacu ainda? O fato de que nunca acertei o tal pulinho. Sabe aquele ditado que diz  “A prática leva à perfeição”? Então, um dia eu chego lá. Já essa performance de circo aí… sem comentários. Rs.

Jacu pula-pula
Jacu Pula-Pula

Da série DESCOBRIDORA DOS SETE MARES – Ai, ai… Quantas vezes a pessoa tem que abrir os braços numa foto para abraçar o mundo? Essa categoria só perde para a primeira.

Jacu descobridora dos sete mares
Jacu Descobridora Dos Sete Mares
Jacu 2
Ainda descobrindo os sete mares

Da série TUDO POR UM SELFIE – O importante é garantir o click né?

Jacu selfie
Tudo por um Selfie

Da série HASHTAG #TGIF, #IHATEMONDAYS e #LETSNOW – Mas pior do que descobrir os seus jacus de viagem, é descobrir que eles não apenas fazem parte como já foram incorporados à sua rotina de vida. Precisa ficar postando em plena a Segunda-feira que você tá a tôa, só na curtição? Precisa??? E a pessoa ainda posta foto de práia no dia que seus melhores amigos estão sofrendo com frio e nevasca do outro lado do país. #notcool

Jacu pentelho
Jacu Pentelho

Você também pode participar da brincadeira.

  • faz um post contando e mostrando seus melhores momentos de jacutices
  • use a hashtag #fotojacu ao divulgar o post;
  • Passa lá no Matraqueando e deixa o link do seu post para a Silvia;
  • e aproveita e vai rir com as jacutices desses viajantes aqui.

13 Anos Depois… | Por Mirelle Matias

360 Meridianos | Por Luiza, Natalia e Rafael

Across The Universe | Por Marcelo Lemos

Andreza Dica e Indica Disney | Por Andreza Trivillin

Aventure-se | Por Rodrigo Nominato

Blog Meu Destino | Por André Morato

Blog do Xan | Por Alexandre Lima

Catálogo de Viagens | Por Liliana Stahr

Colecionando Imãs | Por Camila Torres

Destino Provence | Por Natalia Itabayana

De uns tempos pra cá | Por Carmen Silvia

Férias de Mochila | Por Beta Rodrigues

Gosto e Pronto | Por Debora Segnini

Lido & Feito | Por Margareth Bastos

Mikix | Por Mirella Matthiesen

No Mundo da Mari | Por Mariana Laudeauser

Paris por Fabi | Por Fabiana

Por Onde Andei | Mô Gribel

Porque tô de folga | Por Lenina Velloso

Psiulândia | Por Ana Oliveira

Relatos de Viagem da Paulinha | Por Paula Souza

ReVivendo Viagens | Por Renata Campos

Turismo Backpacker | Por Douglas Sawaki e Júlia Sawaki

Viajando com Pouco | Por Lidiane Spínola

Viajando Mundo Afora | Por Debora Bordin

Viagem a Dois | Por Rachel e Luciano

Viaggiando | Por Camila Navarro

Ziga da Zuca | Por Natália Gastão

As pequenas viagens podem mudar a sua vida

Viajar
Take me there

Quando eu era criança, assistia filmes, lia tudo que eu podia e sempre fazia muita pergunta, sobre tudo. Eu queria saber do mundo ao meu redor e mal podia esperar para ganhar o mundo e sair por aí. Fizemos muitos passeios por Fortaleza, aonde morávamos e olha que eu nem sabia que morava em um dos destinos turísmos preferidos de muitos brasileiros. Fazíamos passeios de um só dia e voltávamos pra casa feliz da vida, cheios de estórias pra contar na escola. Eu tinha oito anos de idade quando a professora me perguntou o que eu queria de ser quando crescer e eu falei que queria ser jornalista porque queria viajar o mundo. Eu queria mesmo era ser a próxima Gloria Maria e fazer todos os especiais de viagem do Globo Reporter.

O tempo foi passando e entre um feriado prolongado e outro nós tínhamos a oportunidade de viajar para o interior do estado. Mais uma vez, Pai, Mãe e quatro filhos dentro de um chevette prontos para enfrentar 6 horas de estrada até chegar à Serra Grande de Tianguá, que era até então a coisa mais próxima de uma montanha que eu já tinha visto na vida. E também a primeira vez que havia sentido frio na minha vida (eu nem sabia que frio de verdade, eu só viria a sentir muitos anos mais tarde).  Mas a sensação de viajar era gostosa e nós estávamos fazendo a nossa primeira “road trip” em família.

Quando chegava o novo ano, a coisa que eu mais gostava de ganhar era um calendário, adivinha pra quê? Para contar quanto feriadões nós teríamos naquele ano. Adorava quando o feriado era na segunda-feira, mas feriado bom mesmo, era o feriado da quinta-feira, que emendava com a sexta, sábado e domingo. Eita felicidade!

Newport - RI 2006
Newport – RI 2006

Eu ainda estava no último ano do ensino médio, quando resolvi que queria fazer um intercâmbio nos EUA, mas meus planos foram por água a baixo na primeira entrevista com a coordenadora da agência porque eu não tinha dinheiro para bancar as despesas e muito menos domínio básico de inglês. Ok! Não foi dessa vez, pensei. Bola pra frente.

Já na faculdade, a estória foi outra. Participei de todos os congressos estudantis durante os quatro anos em que fiquei por lá. Eu tinha até uma malinha já pronta para viagem. Viajava sempre com a mochila, o colchonete e a malinha de rodinha quando as viagens eram mais longas. Acho que foi alí que o mosquitinho viajante me deu sua mordida fatal. Eu adorava, chegar numa cidade nova, ficava fascinada com os diferentes sotaques e queria provar das comidas de cada lugar e ver tudo ao meu redor. E foi assim, tive a oportunidade de conhecer pessoas nos quatro cantos desse meu Brasil lindo.

Alguns anos mais adiante, e a vida profissional tomou outro rumo assim como também as prioridades que foram se redefinindo, mas havia sempre uma estrada no meu caminho. Aceitei um trabalho junto à prefeitura municipal de Morada Nova, um município há mais ou menos 170 Km de Fortaleza. Essa foi a minha primeira experiência morando distante da família e foi  maravilhosa. Claro que durante esse período sempre encontrávamos um motivo para uma escapadinha e pegar a estrada no final de semana. E tenho um mundo de estória para contar dessas aventuras. Mas isso é assunto para outro post.

Após quatro anos na cidade, o mosquito viajante resolveu me cutucar novamente. Eu queria ver o mundo, então acabei aplicando para o visto americano e, para não esticar muito o assunto, parti para os Estados Unidos dentro de duas semanas. E assim, já se passaram 13 anos e já rodei muito pelo país. Agora moro no Havaí e, resolvi registrar aqui nesse espaço, não apenas minhas experiências e aventuras, como também oferecer dicas acerca da região. O maior desafio agora é organizar o racioncínio e trazer à tona, todas as memórias de tantos momentos maravilhosos e também de alguns perrengues (Sim, eles existem mesmo!) durante esse tempo todo.

Por enquanto, estou em fase de planejamento de nossas férias, então passarei as dicas aqui. Estaremos à caminho do Canadá para uma viagem de esqui, que já promete ser fantástica. Abaixo segue a foto da minha primeira experiência esquiando que por si só já oferece a inspiração para um futuro post aqui no blog.

Primeira vez esquiando
Primeira vez esquiando

O que vestir na estação de esqui?

Com que roupa eu vou?
Com que roupa eu vou?

Com que roupa eu vou? O que vestir na montanha? O que levar na mala para uma estação de esqui? Quem nunca teve essas perguntinhas na cabeça no momento de planejar sua viagem que atire a primeira pedra. Arrumar mala “tropical” sempre foi mais fácil, cabe tudo certinho e para falar a verdade, muitas vezes acabo pecando por excesso e levando coisas que nem chego a usar durante a viagem.

A mala de inverno por sua vez, requer mais atenção nos detalhes, uma vez que terei que aproveitar os espaços cuidadosamente. Considerando que ainda vamos fazer uma paradinha básica em Seattle e em Vancouver para compras, (sim, vamos dirigir de volta para Seattle no primeiro dia) terei que levar a mala com espaço programado para preenchimento. Então resolvi pegar algumas idéias para compor alguns looks descontraídos, confortáveis e ao mesmo tempo quentinhos para usar nos alpes, uma vez que queremos aproveitar a boa mesa e a badalação já comprovada de Whistler.

O “Après-ski” é um dos momentos mais gostosos em qualquer esqui-resort, porque é aquela hora em que a galera se reúne para curtir um happy-hour, bater aquele papo gostoso e fazer novos amigos e Whistler tem uma infinidade de opções no vilarejo. A galera lá do Dodeando por aí fez uma coletâncea de posts super detalhados sobre Whistler e também incluindo vida noturna lá. Aliás tem altas dicas e sobre a “nightlife” tá tudo explicadinho aqui. Já fiz todas as anotações, mas também deixei espaço para me deixar surpreender quando chegar lá.

Como dá para perceber, o estilo de vestir é bem mais casual mas nem por isso menos estiloso. Mais adiante, vou fazer um post mais detalhado sobre o que vai na mala, desde as roupas térmicas para garantir que o corpo fique quentinho, os calçados apropriados para a neve, até os cuidados com a pele durante o período em que estivemos por lá.

Até a próxima.

Xoxo

Planejando a viagem ao Canadá

PlanejamentoPassagem comprada! A linda da Air Canadá superou todas as concorrentes nas ofertas das passagens aéreas. Depois de muita pesquisa, decidimos comprar nossas passagens saindo de Maui direto para Vancouver, BC. O amado queria comprar direto para Seattle, para que pudéssemos passar alguns dias lá, rever amigos, pegar os esquis dele (que estão na casa dos amigos) e aproveitarmos para fazer umas comprinhas de inverno, além de curtirmos um pouco da cidade também. Mas como o preço do vôo Maui-Vancouver superou em tudo os preços Maui-Seattle, ganhou o primeiro.

Resta-nos decidir agora a programação da viagem. Sabemos que temos que fazer compras antes de seguirmos para Whistler, uma vez que temos que renovar o guarda-roupa de inverno, mais específicamente de roupas de esqui. Temos a opção de chegar em Vancouver e seguirmos de volta para Seattle, aonde já conhecemos as lojas ou de ficarmos em Vancouver e explorar a cidade. Ou ainda a terceira opção de seguirmos direto para Whistler e fazer tudo por lá.

Eu confesso, que estou na ânsia de pegar a estrada e seguir a Sea to Sky Highway e aproveitar cada segundo da viagem, explorando cada detalhe. Como ficaremos uma semana por lá, quero ver a possibilidade de ir à Banff também. Será que cabe na nossa realidade? Não sei. Mas não custa sonhar, né?

Por enquanto é isso. Depois volto aqui para registrar os próximos passos no planejamento da nossa aventura.

Fui.

Xoxo

Vamos para Whistler!!!

Whistler_planDecidimos!!! Vamos para Whistler, no Canadá. E eu fiquei tão feliz com a idéia. Primeiro, porque é o destino preferido do maridão. Segundo, porque é a minha primeira viagem ao Canadá. E eu, tenho um carinho muito grande pelos canadenses.

Já esquiei algumas vezes em New Hampshire e sempre adorei e aproveitei cada minuto. Estava até animada para ir pra lá porque temos familia e muitos amigos do lado de lá, mas como não dispenso a idéia de conhecer algo novo, então o marido nem precisou de muito esforço para me convencer.

Agora chegou aquela parte gostosa de planejar tudinho nos mínimos detalhes. Tem horas que gostaria de ser uma daquelas viajantes que se deixa levar e se surpreender pelo destino quando chega lá. Mas não sou assim. Sou curiosa por natureza e quando viajo, quero aproveitar cada minuto.

A próxima decisão agora é decidir se pegamos um vôo para Seattle e de lá seguimos para Vancouver de carro ou se marcamos o vôo direto para Vancouver. Estamos partindo de Maui, aonde moramos e as passagens estão bem em conta, apesar de ser alta estação. A idéia é ir na primeira semana de Fevereiro, no auge da temporada de esqui. Enquanto isso, vamos também procurando hoteis de preferência na Whistler Village.

Como moro em clima tropical e já não encaro invernos rigorosos quanto aos da época em que morava em Boston, é hora também de comprarmos novas roupas de inverno, Estarei compartilhando aqui os achados e preciosidades de comprinhas também. Como a nossa prioridade é esquiar o máximo que pudermos, uma vez que ficaremos apenas uma semana por lá, esse será o foco das minhas compras antes e quem sabe, durante a viagem.

Mas é isso. Só queria vir aqui e registrar a nossa decisão. Agora mãos à obra. Vou ali procurar hoteis e roupinhas de esquiar.

Xoxo